Pular para o conteúdo principal

MUDAM-SE OS TEMPOS, MUDA-SE A LINGUAGEM

A língua, como no soneto atribuído a Camões, muda de acordo com o tempo e com a vontade de mudança das nossas sociedades. Para dar uma ideia de como a língua é dinâmica, basta pensar que em um ano mais de 800 palavras foram incluídas no nosso idioma. Também li que em italiano, nos últimos dez anos, cerca de 7500 novas palavras foram introduzidas no dicionário mais popular do país, o Zingarelli. Mas como a língua muda?
A língua, como a sociedade, transforma-se de modo desigual, pois não podemos afirmar que tudo em uma sociedade possui a mesma prioridade: seria uma contradição. Há setores que recebem maior impulso, outros que recebem mais atenção, outros que são mais necessários.
Partindo dos dados referentes à língua italiana, podemos ter uma ideia de como a ampliação do  vocabulário ocorre também em português, já que muitas palavras possuem um uso global. Os setores que mais produzem neologismos são a informática e a medicina. Até aqui, nenhuma surpresa, em duas áreas de ponta, continuamente em busca de soluções para facilitar e melhorar a nossa qualidade de vida.
A cultura e as artes também têm um papel de destaque: pelo tipo de palavra introduzido em italiano (muitos tecnicismos acadêmicos), percebe-se que se os recursos faltam, a reflexão abunda. Essa área é seguida de perto pelos neologismos de Economia e Biologia, pelos de Filosofia e História, pelos de Direito e Linguística. Esses dois últimos setores geraram cerca de 100 neologismos cada um, enquanto as áreas que mais produzem neologismos criaram cerca de 500 palavras novas.
A área que menos se transforma é a política: na língua italiana foram anotadas apenas 17 novas palavras. Será que isso corresponde à evidente dificuldade de renovação da política, à repetição de velhas fórmulas, a uma estagnação da capacidade de inovar formas de participação e de solução dos problemas da sociedade?
Se o questionamento em relação à política pode ter muitas respostas e suscitar muitas interpretações, em relação à língua também podemos dizer muitas coisas, mas uma é certa: a língua é um instrumento extremamente sensível. É o termômetro da nossa relação com o mundo. Observar a língua que se transforma é útil para perceber que nada é imutável e insolúvel; não estamos parados. Mudar o nosso vocabulário e o nosso contexto depende de nós, das nossas convicções e ações. Podemos criar um vocabulário instigante e motivador, ou um vocabulário pessimista e retraído. O que fazemos transforma a nossa comunicação e a nossa comunicação influencia o que fazemos. Dizer e fazer são verbos interdependentes, um não vive sem o outro. O nosso mundo se plasma nas nossas palavras. Portanto, é importante estar atento ao que dizemos, pois nessa interdependência o que dizemos também plasma o que acontece.

Comentários

  1. Leitura prazerosa e intelectualmente estimulante. Atualizei meu post mais recente ("O patriarca da Odebrecht") publicando o link deste artigo. Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Cara Claudia, seria útil indicar aqui nos comentários o link do seu artigo. Desse modo, quem ler o seu comentário poederá ler o seu texto também. Obrigada pela leitura, um abraço.

    ResponderExcluir
  3. http://www.clarezaecoerencia.com.br/2017/05/o-patriarca-da-odebrecht-certo-ou-errado/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NÃO INVENTAMOS O CARNAVAL, INVENTAMOS O ENTERRO-DOS-OSSOS

O carnaval é uma festividade pagã, que se popularizou e "industrializou-se" no Brasil, a ponto de ser considerado o "maior espetáculo da Terra". É uma festa muito importante, mas também contém muitos daqueles elementos sob medida para agradar o público, para "inglês ver", como se diz.
Dizem que o nosso carnaval vem do entrudo português, e não tenho motivos para duvidar disso. De fato, ainda há em pequenas cidades resquícios daquela antiga festa, durante a qual as pessoas se sujam de todos os modos por pura diversão. É o caso do carnaval de lama, só para lembrar que o período do verão é bastante chuvoso em zonas tropicais e que brincar em poça d'água é uma diversão previsível nesse contexto.
Há também outras manifestações ótimas, que foram até objeto de estudo antropológico, como o carnaval de rua, que em relação ao carnaval de salão é outra história! O carnaval de rua é a coroação da vida de bairro, da organização espontânea da bagunça! O carnaval de …

TROCADILHOS NA PONTA DA LÍNGUA

Há algumas semanas fui apresentada a uma colega de profissão que, ao saber que era brasileira, comentou: “ah, você escreve em português do Brasil...”. Eu corrigi: “não, escrevo em português do acordo”. Quando mencionei o “Acordo” vi uma nuvem em seus olhos. A questão continua causando grandes debates. Então corrigi as minhas palavras: “... ou do desacordo, como quiser”. Ouvindo  trocadilho, a colega que tinha feito as apresentações correu para apagar o fogo: “hoje é dia de festa, não vamos brigar por isso”. E quem pensava em brigar? Eu estava apenas brincando para não dramatizar uma questão que poderia ter sido de fato (ou facto) a melhor ocasião dos últimos tempos para ficarmos unidos pela língua.
Ficar unido não é ficar igual, não é estabelecer um patamar medíocre, mas significa ampliar os nossos horizontes linguísticos e culturais, mantendo a base ortográfica como plataforma comum. Todas as outras esferas da língua (lexical, semântica, sintática, pragmática) continuam tendo as suas …

COMO DIZER "PROBLEMA" E COMO EXORCIZÁ-LO

Quando fico submersa por mensagens que exaltam o lado positivo da vida, a bondade que está dentro de nós, a felicidade a todo custo, penso: como pode uma sociedade "do bem" ser tão e tão continuamente violada pelo mal? Será que falta determinação em fazer o bem ou falta determinação em cortar o mal pela raiz? Aposto que na nossa cultura o problema está na nossa pouca força para enfrentar o mal. A gente nega, diz que não foi por querer, encontra desculpas indesculpáveis e tem ojeriza à responsabilidade. A culpa é sempre do outro e "eu não sei, não vi, nem quero saber": não é problema meu.
Nisso, o uso da língua é exemplar. Nós temos dois padrões para escapar daquilo que nos incomoda: usando a metáfora ou recorrendo à catacrese, quer dizer, a um termo que no contexto serve como sinônimo, mas sinônimo não é. Quando temos um problema, mas não queremos dizer de forma explícita, recorremos a metáforas como: abacaxi, pepino, batata quente, zebra (usadas para coisas); mala…